Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Boas Novas
Iniciativa Carta da Terra: você quer ver o mundo de outra forma?

Você acha que é possível ver o mundo com outros olhos? Para ajudar nisso, a iniciativa brasileira da Carta da Terra lançou uma campanha com o slogan “Veja o mundo através das lentes da Carta da Terra”, inspirada na importância da mobilização da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, que acontece em junho, no Rio de Janeiro.



A primeira ação é o vídeo abaixo, de pouco mais de um minuto, que convida o espectador a refletir sobre sistemas de produção e valores humanos e propõe uma forma de pensar alinhada aos conceitos da chamada economia verde – que defende um crescimento baseado nos princípios de “integridade ecológica, justiça social e econômica, democracia, não violência e paz”.

 

 

A Carta enumera várias formas de se construir um mundo mais justo e saudável, com atitudes como o respeito à diversidade, a construção de sociedades justas, participativas e pacíficas, a proteção ambiental, a adoção de padrões de produção e consumo condizentes com a capacidade de regeneração da Terra, a erradicação da pobreza, o desenvolvimento humano de forma equitativa, a cultura da tolerância e a defesa da dignidade humana e da saúde.

O que é a Carta da Terra?

A Carta é “uma declaração de princípios éticos fundamentais para a construção, no século 21, de uma sociedade global justa, sustentável e pacífica”. A ideia surgiu em 1987, quando a Comissão Mundial das Nações Unidas para o Meio Ambiente e Desenvolvimento sugeriu a criação de um texto com o registro das diretrizes fundamentais para o desenvolvimento sustentável.

Após anos de diálogos interculturais em torno de objetivos comuns para todos os povos (e que pudessem ser expressos em uma carta), ela foi finalizada em 2000 como uma iniciativa global da sociedade civil. O lançamento aconteceu no Palácio da Paz, em Haia.

O documento teve a adesão de mais de 4.500 organizações, inclusive organismos governamentais. “À luz desta legitimidade, um crescente número de juristas internacionais reconhece que a Carta da Terra está adquirindo um status de lei branca (“soft law”). Leis brancas, como a Declaração Universal dos Direitos Humanos, são consideradas moralmente, mas não juridicamente obrigatórias para os Governos de Estado”.

Hoje, a “Iniciativa da Carta da Terra” tem como objetivos promover disseminação e implementação do documento pela sociedade civil, pelo setor de negócios e pelos governos e apoiar o uso educativo da Carta nas escolas.

 

Fonte: Super Interessante

 

Comentar

Código de segurança
Atualizar