Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Universo

Novo telescópio é capaz de estudar buracos negros


A Nasa lançou pelo foguete Pegasus XL o telescópio NuSTAR, que usa raio X para examinar as profundezas do espaço, os buracos negros e para conhecer melhor a evolução do cosmos.

O Pegasus XL é da companhia americana Orbital Science Corporation. Ele foi lançado rumo ao espaço às 12h58, segundo o horário de Brasília, a 11.900 metros de altitude de um grande avião a jato, o Lockeed L-1011. Ele decolou da pista do atol Kwajalein, nas ilhas Marshall, no Pacífico.

Nesse momento, o NuSTAR está em órbita a 600 km da Terra. Ele abrirá as suas antenas após a transmissão de seus primeiros sinais, os quais serão enviados para a equipe em solo por meio do sistema de satélites da Nasa. Os primeiros dados obtidos por ele serão enviados em 30 dias.

A primeira etapa da missão do NuSTAR, que vai durar dois anos, pretende mapear e estudar as estrelas que rodeiam o centro da Via Láctea e, depois, observar as mais profundas e distantes da Terra, além da nossa galáxia.

O telescópio

O NuSTar é o primeiro telescópio fora da atmosfera terrestre com a capacidade de gerar imagens a partir da tecnologia de raios X. Segundo Paul Hertz, diretor da divisão de astrofísica da Nasa, esse telescópio ajudará a ciência a entender como o Universo evoluiu desde o Big Bang até se transformar no que ele é hoje. Assim, será possível visualizar objetos celestes maiores, a partir de uma perspectiva nunca vista antes.

Isso é possível porque o telescópio consegue captar a energia dos raios X por meio da poeira e do gás das galáxias, os buracos negros e as estrelas de nêutrons. Então, ele obtém imagens com resolução até dez vezes maior do que as criadas a partir dos telescópios comuns usados atualmente.

Portanto, o NuSTAR tem capacidade de estudar detalhadamente não apenas o Universo, mas também os misteriosos buracos negros. Ele foi feito para trabalhar em conjunto com os outros telescópios espaciais que já orbitam nosso planeta e realizam a mesma função, mas sem a mesma qualidade.

 

 

Fonte: Exame Info

 

Comentar

Código de segurança
Atualizar