Oportunidades econômicas pioraram na África, diz estudo
Nos últimos quatro anos, países no continente também apresentaram deterioração da segurança, informou o Índice Ibrahim

 

Em termos de governança, o progresso na África está parado desde 2011. É o que indica o Índice Ibrahim de Governança Africana (IIAG), divulgado nesta segunda-feira pela Fundação Mo Ibrahim, baseada em Londres. Diferentemente dos anos anteriores, quando o continente parecia um bom local para investir, agora a falta de confiança nos mercados e a fragilidade dos bancos parecem falar mais alto, levando à deterioração no ambiente para os negócios. Além disso, a percepção de violência aumentou, tanto em relação ao Estado quanto ao indivíduo. Nem mesmo os avanços registrados em áreas como saúde e educação, direitos humanos e questões de gênero foram suficientes para compensar as pioras.

— Embora não haja dúvida de que os africanos, de um modo geral, são mais saudáveis e vivem em sociedades mais democráticas do que há 15 anos, o IIAG de 2015 mostra que o progresso recente no continente estagnou ou se inverteu, e que alguns dos principais países parecem estar em desaceleração — disse o bilionário sudanês Mo Ibrahim, presidente da fundação, que premia líderes africanos com bons índices de governança.

A área de investimentos e negócios foi a que teve pior desempenho desde 2011, segundo o índice. A nota geral do continente foi de 43,2 (sobre um máximo de 100) no quesito oportunidade econômica, registrando uma queda da 0,7 no período. Para a ex-subsecretária-geral de Assuntos Humanitários da ONU e atual membro do conselho da fundação, Valerie Amos, os governos podem tentar avançar nessa área tentando melhorar a prestação de serviços.

— A maior regulação mundial teve impacto desproporcional em alguns países africanos. Os governos podem apresentar avanços ao tentar simplificar o relacionamento com os investidores, minimizar a burocracia, criando um clima competitivo — disse Amos ao GLOBO, de Londres.

Mas é preciso lembrar a diversidade do continente, uma colcha de retalhos que inclui 54 países e com uma lacuna de 70 pontos entre a primeira posição no índice geral, as Ilhas Maurício, e o último colocado, a Somália. A disparidade na África, inclusive, aumentou, indica o estudo. Enquanto a África Austral continua a ser a região com o melhor desempenho, com média de 58,9, a área central registrou uma pontuação média de 40,9.

Neste bloco totalmente heterogêneo, só seis países melhoraram em todas as quatro categorias do Índice Ibrahim: Costa do Marfim, Marrocos, Ruanda, Senegal, Somália e Zimbábue. O grupo inclui democracias, ditaduras, uma monarquia e uma zona de conflito, ou seja, eles não seguem fórmulas prontas para alcançar um bom resultado.

— Houve melhorias na categoria de “Participação e Direitos”, especialmente nas áreas do processo eleitoral, de “Desenvolvimento Humano”, que inclui saúde, educação e bem-estar. O que o índice pretende é permitir que os governos consigam comparar as suas performances com os outros países, mostrando as ações que trouxeram avanços e pioras nas áreas analisadas — pontuou Amos.

Conflitos armados afetam vários países

Independente desde 2011, essa é a primeira vez que o Sudão do Sul aparece no índice, mas não tem nada do que se orgulhar, ficando à frente somente da Somália. O país vivenciou a pior deterioração no continente, com queda nas pontuações de todas as categorias, zerando em muita delas. O cenário de guerra não ajuda nas perspectivas futuras.

— Os conflitos armados tornam o processo de governança mais complicado e complexo, e às vezes é impossível — disse Amos.

As melhorias foram poucas nesses países, muitas vezes só em relação ao acesso a medicamentos e campanhas de saúde pública. Valerie defende uma maior atuação da comunidade internacional para amenizar os problemas na África.

— É preciso pressionar os países em guerra, apoiar o desenvolvimento de instituições e estruturas que levem ao Estado de Direito e incentivar os investimentos nos setores sociais, como uma forma de dar resposta à pobreza no continente — acrescentou.

Entre exemplos negativos, alguns países, como a Costa do Marfim, têm razões para celebrar. O país foi o que mostrou de longe a maior melhoria global. Depois de passar por uma crise política entre 2010 e 2011 que deixou mais de três mil mortos, a estabilização começa a dar sinais. O país fez um maciço investimento na sua infraestrutura, ampliando consideravelmente sua malha ferroviária.

 

Comentar

Código de segurança
Atualizar

Criptomoedas

Cotação em tempo real. Ideias...

Visitar
image1

Açoes

Ações em tempo real. Ideias...

Visitar
image2

Mente

O cérebro em detalhes.

Visitar
image3