Em agosto, as autoridades chinesas trocaram com um satélite as primeiras comunicações cifradas com técnicas de computação quântica

Depois desse primeiro teste, chegou a hora do anúncio de uma estreia mundial: a primeira rede quântica comercial já está operacional.

Teoricamente, as comunicações protegidas com tecnologias quânticas estão classificadas como indecifráveis. E terá sido essa a característica que levou as autoridades chinesas a darem a primazia a entidades estatais no uso do novo sistema de comunicações. A nova rede quântica vai ser usada em exclusivo por 200 entidades governamentais baseadas na cidade de Jinan, capital da província de Shandong.

Futuramente, esta rede deverá ser conectada a uma outra rede quântica que liga Pequim a Shangai.

A agência noticiosa chinesa Xinhua recorda que a nova rede quântica exigiu a instalação de vários equipamentos conectados por «centenas de quilómetros de fibra ótica».

Desconhece-se em que moldes as autoridades chinesas estarão dispostas a comercializar os serviços da nova rede quântica.

Em agosto, as autoridades chinesas deram o tiro de partida para a criação de uma rede quântica com o lançamento do Quantum Science Satellite - e aparentemente, é este satélite que suporta agora a nova rede quântica.

As redes de computação quântica têm por base um princípio que determina ser possível que um bit possa representar em simultâneo uma dada informação e o seu contrário. E por isso a computação quântica lida com qubits, em vez de bits. É o pressuposto de que os qubits são formados por dois elementos que podem estar em estados contrários que dão às comunicações quânticas a possibilidade de detetar com facilidade uma eventual alteração ou manipulação de informação - e por isso estas comunicações são consideradas potencialmente.

Na nova rede quântica chinesa, os dados são veiculados por pares de fotões (partículas de luz) "entrelaçados" (entangled).

 

Comentar

Código de segurança
Atualizar

Joomla templates by a4joomla