Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Pantanal tem segundo maior número de queimadas para agosto desde início das medições; focos detectados na Amazônia superam média histórica

O Pantanal teve o agosto com o segundo maior número de queimadas de sua história, desde o início do monitoramento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), em 1998. Foram 5.935 focos de calor detectados de 1º a 31 de agosto. O ano com maior número foi 2005, com 5.993 registros no mês.

No mês passado, o bioma, que está presente nos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, havia registrado o julho com mais focos de incêndio desde o início das medições feitas pelo Inpe. O mês representa o início da temporada de queimadas no bioma, que vai até setembro.

Em relação a agosto do ano passado, a quantidade de focos de queimadas no Pantanal foi 3,5 vezes maior neste ano.

Felipe Augusto Dias, diretor-executivo da ONG SOS Pantanal, em Campo Grande, afirma que "ações humanas" são a origem dos focos de incêndio. Ele diz que a equipe do Prevfogo, do Ibama, que trabalha para apagar as queimadas na região, credita 99% do fogo a esse fator.

'Virei noite apagando fogo': a rotina de brigadistas no maior incêndio no Pantanal
"A gente não pode afirmar que é algo criminoso, mas que tem origem humana, tem. Você faz uma fogueira para queimar resíduos de folhas. Se você não cuidar, e mesmo cuidando, o vento pode levar uma fagulha longe e essa fagulha rapidamente faz um grande incêndio", diz.
Mas Dias avalia que o principal fator no aumento dos focos de incêndio é a estiagem: a região enfrenta o maior período de seca em 47 anos.

Com menor área inundada do bioma, que é a maior planície alagada do mundo, há mais área para servir de "combustível" para o fogo. O vento, combinado com o tempo seco, contribui para o alastramento dos incêndios.

"O Pantanal é uma região que, não tendo água que venha de fora dele, da parte alta do planalto, ele não inunda. Os índices de chuva na planície são baixos – a maior parte da água vem de fora da planície. Tem níveis ali no centro da planície que chegam a níveis de precipitação do semiárido", explica Dias.
Nesta época do ano, a região vive o seu o período seco, mas, mesmo em janeiro, na estação úmida, choveu pouco. E as chuvas, por terem sido mal distribuídas ao longo do mês, também prejudicaram o bioma, porque a água que vinha após os longos períodos de seca não era suficiente para encharcar o solo.

Chuva no MS pode ajudar a reduzir queimadas, diz meteorologista
A maior parte das chuvas acontece na cabeceiras (parte superior, perto da nascente) dos rios, principalmente do Rio Paraguai, diz o diretor da ONG. Entre 60% e 70% da precipitação vem do norte de Mato Grosso.

Essa água desce pelo Rio Paraguai, e ele, não tendo condição de passar o volume que chega, acaba extravasando. E essa rede de inundamento vai levando ao processo de extravasamento, aliado às outras águas que chegam da borda leste do Pantanal e vão se acumulando e inundando", explica Dias.
Neste ano, isso não aconteceu. Para o diretor, resta saber se a tendência será contínua ou se apenas vista em 2020.

Amazônia

Já a Amazônia, maior bioma em território e também com o maior número de focos detectados, teve 29.307 registros de queimadas entre 1º e 31 de agosto. O dado é uma queda de cerca de 5,2% em relação a agosto do ano passado, quando foram registrados 30,9 mil focos de calor.

O número, entretanto, é 12,4% maior que a média histórica registrada para o mês, que é de 26.082 focos, e o segundo maior registrado desde 2010.

A diretora de ciência do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), Ane Alencar, acredita que a redução vista em relação ao ano passado "não é para se comemorar".

"Está basicamente no mesmo patamar do ano passado. A gente vem de meses como junho e julho com aumento considerável no número de focos de queimadas e o mês de agosto com um número muito próximo ao do ano passado, que é o segundo maior agosto com fogo desde 2010. É muito preocupante", avalia.

"Isso significa que muitas pessoas da Amazônia estão expostas à poluicão do ar gerada por essas queimadas", lembra Alencar.

Ela pontua, ainda, que setembro costuma ser o mês de pico do fogo na região.

"Eu acho que a gente tem que se preocupar, sim, com esse número. A eficiência do Exército na Amazônia, por exemplo, não tem sido demonstrada de fato. Nós esperaríamos uma redução muito maior", avalia.

Os estados do Pará, Mato Grosso e Amazonas são os que mais queimaram a floresta em agosto – e também durante todo o ano de 2020.

Os municípios com mais focos em agosto foram:

  1. Altamira (PA)
  2. São Félix do Xingu (PA)
  3. Poconé (MT)
  4. Corumbá (MS)
  5. Novo Progresso (PA)
  6. Apuí (AM)
  7. Barão de Melgaço (MT)
  8. Porto Velho
  9. Lábrea (AM
  10. Novo Aripuanã (AM)
    Depois da Amazônia, a região com maior número de focos de incêndio foi o Cerrado, com 10.155 focos de incêndios. A Mata Atlântica teve 4.079 pontos; a Caatinga, 838; e o Pampa, 380.

Maioria das queimadas do ano
Os dados do Inpe também mostram que os pontos de queimada registrados em agosto foram mais da metade do total de 2020. Foram 50.694 pontos, ao todo, no mês passado. Desde janeiro, foram 91.130 registros.

Em relação ao ano passado, houve uma queda de 2,4% no número de focos de queimadas em agosto se comparado ao mesmo mês do ano passado .

 

 

Comentar

Código de segurança
Atualizar