Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Imagem de buraco negro resulta em prémio de 2,7 milhões de euros.

Imagem de buraco negro resulta em prémio de 2,7 milhões de euros

Foi em abril deste ano que o mundo viu em direto um buraco negro. Os buracos negros são objetos tão densos que nada, nem mesmo a luz, pode escapar da sua gravidade.

A primeira imagem de um buraco negro valeu agora à equipa de cientistas um prémio de três milhões de dólares (2,7 milhões de euros)! E há um português na equipa.

Com o objetivo de reconhecer o avanço científico, existe o prémio Breakthrough. Este prémio tem como patrocinadores Mark Zuckerberg, do Facebook, e também Sergey Brin, ex-presidente da Google, entre outros.

A equipa que conseguiu a primeira imagem de buraco negro é composta por 347 cientistas. Destaque para a participação do português, o astrofísico português Hugo Messias. A imagem mostra a sua silhueta formada por gás quente e luminoso a rodopiar no seu redor.

O buraco negro está localizado no centro da galáxia M87, a 55 milhões de anos-luz da Terra. Tem uma massa de 6,5 mil milhões de vezes superior à do Sol.A imagem foi conseguida após terem sido recolhidos dados das observações feitas, no comprimento de onda rádio, com uma rede de oito radiotelescópios espalhados pelo mundo, que funcionaram como um só e com uma resolução sem precedentes.

Esta imagem comprova, mais uma vez, a Teoria da Relatividade Geral, de 1915, do físico Albert Einstein. De acordo com a Teoria da Relatividade Geral, um buraco negro é uma região do espaço da qual nada, nem mesmo partículas que se movem à velocidade da luz, podem escapar, pois, a sua velocidade é inferior à velocidade de escape desses corpos celestes infinitamente densos.

Segundo a equipa de investigação, a sombra do buraco negro registada é o mais próximo da imagem do buraco negro em si, uma vez que este é totalmente escuro.

 

Comentar

Código de segurança
Atualizar